EntreTeste Grátis por 7 dias Conheça a KPI Farm e surpreenda-se!

Custo de oportunidade na agricultura, por que devo considerá-lo?

custo de oportunidadeOlá,

Hoje estamos aqui para falar de um assunto importante para todo produtor rural, mas que muitas vezes não é de seu conhecimento, o chamado Custo de Oportunidade. Por esse desconhecimento, muitos produtores não utilizam esse custo para compor os custos da sua produção agrícola e acabam avaliando sua lucratividade de forma equivocada.

Mas o que é Custo de Oportunidade?

O Custo de Oportunidade, assim como o Custo com Depreciação, é um custo de produção agrícola classificado como custos implícitos, ou seja, custos que dizem respeito àqueles para os quais não ocorrem desembolsos efetivos ao longo da safra.

O Custo de Oportunidade se refere ao valor que um determinado fator poderia receber em algum uso alternativo. Está relacionado ao valor que as escolhas representam em uma determinada situação, pois ao optar por uma alternativa é necessário abrir mão de outra possibilidade, ou seja, uma oportunidade teve que ser renunciada para que outra ocorra.

Para entender melhor esse conceito, vamos pegar como exemplo um sujeito ganhou R$100.000,00 de herança e resolve investir na produção de soja. Caso decidisse investir nessa atividade ao invés de simplesmente colocar esse dinheiro no banco (que na poupança renderia 8% ao ano), o custo de oportunidade seria o quanto o individuo deixaria de ganhar caso aplicasse esse dinheiro no banco (R$ 8.000,00 ao ano).

Quais os tipos de custo de oportunidade utilizados na agricultura?

Na agricultura consideramos 3 tipos de custo de oportunidade: a remuneração do capital investido; a remuneração da terra, e; a remuneração do empresário. Abaixo uma breve explicação de cada tipo.

  1. Remuneração do capital investido: refere-se ao valor que o empresário receberia se esses recursos estivessem aplicados em outra atividade. Normalmente o critério utilizado é a remuneração da poupança ou renda fixa;
  2. Remuneração da terra: representa o rendimento que o recurso aplicado em terra estaria remunerando a empresa, se utilizado em outra atividade. Um critério bastante utilizado para a remuneração do fator de produção terra é o valor do arrendamento praticado na região onde está localizada a propriedade;
  3. Remuneração do empresário: é a remuneração destinada ao empresário rural, estipulada para o gerenciamento da atividade, no caso em que ele não retira efetivamente essa remuneração.
Por que todo produtor rural deveria utilizar o custo de oportunidade para avaliar sua lucratividade?

Agora que você já entendeu o que é e quais os tipos de custo de oportunidade, vamos responder uma pergunta importante: Por que você deve utilizar esse custo na avaliação do rendimento da sua produção agrícola?

Muitos produtores não incluem todos os custos na avaliação do rendimento da sua produção agrícola, e aqui podemos dar destaque a dois custos não visíveis (custos implícitos), custo com depreciação e custo de oportunidade. Ambos os custos não precisam de desembolso efetivo e por isso são ignorados pela maioria dos produtores, que acabam fazendo apenas o cálculo parcial dos custos de produção, tomando decisões erradas por conta disso.

O custo de oportunidade deve ser sempre considerado para uma análise correta da rentabilidade e do lucro que efetivamente o produtor tem do seu negócio. Portanto, utilizar o custo de oportunidade é imprescindível para saber o total verdadeiro dos custos de produção e para tomadas de decisões corretas.

No sistema KPI Farm, você poderá inserir os custos de oportunidade e avaliar o rendimento da sua produção agrícola da maneira correta. Vale a pena conferir.

Conclusão

Calcular os custos de produção da forma correta é uma ferramenta importante para permitir sua permanência na atividade, porque auxilia o produtor a apurar o quanto ele está gastando, onde está sendo empregado o dinheiro e, principalmente, qual a lucratividade real que ele pode esperar do seu negócio. Em resumo, permite avaliar a lucratividade ou prejuízo do empreendimento, incluindo o retorno do seu capital investido, a remuneração da terra e do próprio empresário.

Obrigado  e até a próxima.

Tássia Matsumoto
ADECA Agronegócios
www.adecaagronegocios.com

Luiz Eduardo Faria
Engenheiro Agrônomo
www.kpifarm.com.br

 

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta